Menu fechado

Buenos Aires: mais de 60 lugares para visitar

E aí, gente, tudo bem? Hoje o post é sobre Buenos Aires. Coloquei pouco mais de 60 pontos turísticos, e outros não turísticos, para você escolher e acrescentar no seu roteiro. Ressalto que fiz quase todos deles, pelo menos uns 50, pois fiquei mais de 3 semanas na cidade (ocasião em que fui fazer um intensivo de espanhol) e claro que não deixei de bater perna. Confira!

A primeira vez que fui a BSA foi em agosto de 2014. No entanto, acabei ficando no trivial pelos principais pontos, até mesmo porque fui em um feriadão e tive só 4 dias e estava com meu pai, que possui já uma certa idade.

Da vez passada foi em junho-julho de 2017, onde pude ficar vários dias e reuni muitos lugares, previamente escolhidos a dedo por meio de algumas pesquisas pela web, e categorizei os pontos por proximidade, para ficar mais fácil o deslocamento. Estava bem frio, no auge do inverno, e passei dias com manhãs de 5ºC.

Organizei o roteiro em 18 grandes regiões, agrupando-as em outras 7: A, B, C, D, E, F e G. O trabalho mais árduo não foi encontrar o que fazer, até mesmo porque há muita coisa na internet, já que BsA é um dos lugares mais visitados por brasileiros, e passeio é o que não falta. Mas o que eu senti necessidade foi de encontrar algo mais estruturado e, com isso, o trabalho maior foi reunir lugares para que pudessem ficar próximos uns dos outros. Não seria uma boa logística fazer a região de La Boca/Caminito e ir a Tigre no mesmo dia, por exemplo. Muito fora de mão, não é? Por isso joguei no Google Maps e ordenei, como falarei a seguir.  Calma que ficou facinho de entender. Não tenha medo.

Vale dizer que fiz um bate-volta em La Plata e Tigre, onde falarei especificamente em outra postagem, e também uma esticada até Montevideo, que pode ser conferido neste link.

Mas, inicialmente, vou concentrar a postagem somente em Buenos Aires.

Curiosidade: como todos sabem, a capital da Argentina é Buenos Aires. Mas o que muita gente não sabe é que o Distrito Federal é chamado de CABA (Cidade Autônoma de Buenos Aires). É como o nosso Distrito Federal aqui no Brasil. O CABA fica dentro da Província de Buenos Aires (como se fosse um Estado, para nós), cuja capital é La Plata. Então, a capital da Província de Buenos Aires é La Plata (e não o Distrito Federal – CABA) onde fica a sede do governo da Província de Buenos Aires. Não sei se fui claro, mas é isso mesmo, gente, rs. Então se vir por aí endereços de hotéis, hostels, lugares, que ficam no CABA, saiba que é o Distrito Federal.

Curiosidade à parte, para não perder o costume, vou direto ao ponto. Fiquei hospedado no bairro de Montserrat e por isso comecei minhas andanças por lá. Mas fica a seu critério esse start. Vejamos, então, as divisões que fiz:

Esse é o mapa do CABA. Dividi algumas regiões por cores.

Bora desenrolar cada uma dessas regiões?

É claro que em Buenos Aires há inúmeras coisas para se fazer, assim como em qualquer metrópole, como São Paulo, as quais muitas dessas desconheço. Se souber de algum ponto bacana, deixe seu comentário lá embaixo!

Vale destacar também que não dividi necessariamente cada região para ser feita em apenas 1 dia, pois, em algumas, como em San Nicolas e arredores, há vários lugares. Então, você pode dividir de acordo com sua disponibilidade.

Outra coisa é que não vou fazer uma descrição de todos os lugares, pois o intuito é apenas deixar os pontos, com algumas fotos da maior parte deles. Ficaria muito extenso para ler, se comentasse um por um.


#### REGIÃO A ####

MONTSERRAT

1. Congreso de la Nación (Congresso Nacional)
2. Catedral Metropolitana de Buenos Aires
3. Plaza de Mayo
4. Casa Rosada
5. Museo Bicentenário
6. Palácio Barolo
7. Café Tortoni

PUERTO MADERO

8. Puente de la Mujer
9. Reserva Ecológica Costanera Sur
10. Buque Fragata Museo Sarmiento

CONSTITUCIÓN

11. Plaza Constitución
12. Estação Constitución
13. Iglesia del Inmaculado Corazón de María


#### REGIÃO B ####

PALERMO

14. Museu Evita
15. Helados Jauja
16. MALBA (as minhas fotos do museu são de 2014)
17. Jardim Japonês
18. Bosques de Palermo
19. Planetário Galileu Galilei
20. Plaza Italia/Feira de Livros usados
21. El Rosedal
22. Shopping Alto Palermo
23. Freddo (sorveteria): há em diversas partes da cidade, eu fui nessa de Palermo e em outro bairro que não sei onde era, porque estava perdido, rs.

RECOLETA

24. Palacio de las Aguas Corrientes
25. Livraria El Ateneo
26. Floralis Generica
27. Cemitério Recoleta
28. Feirinha Recoleta
29. Hard Rock Café
30. Museu Belas Artes
31. Plaza Intendente Alvear


#### REGIÃO C ####

LA BOCA

32. Caminito
33. La Bombonera

SAN TELMO

34. Cafeteria Le Blé
35. Feira San Telmo
36. Maldita Milonga Tango
37. Mafalda
38. Mercado de San Telmo
39. Parque Lezama e Museu Histórico Nacional
40. Libreria de Ávila (mais antiga de BsA)
41. Museu Histórico Nacional
42. Lezama Park


#### REGIÃO D ####

CABALLITO

43. Parque Centenário (feira de livros)
44. Boulangerie Fraunk Dauffois

BALVANERA

45. Abasto Shopping

ALMAGRO

46. Eu não cheguei a andar pelo bairro para conhecê-lo melhor, apenas passei, mas me parece um lugar bastante agradável, com muitos bares de rua e praças. Se for se hospedar por perto, vale a pena dar uma andada por lá.

ONCE

47. Aqui é a 25 de março de Buenos Aires! Se você tá procurando bugigangas, lembrancinhas, dar uma de sacoleiro, este é o lugar certo. Confesso que cheguei no lugar, fiquei perdido. Tanta lojinha com muamba. Dá vontade de trazer tudo. Não muda muito dos camelôs com os quais estamos acostumados a ver por aqui, cheio de coreanos e chineses.


#### REGIÃO E ####

RETIRO

48. Torre Monumental
49. Estação Retiro

SAN NICOLAS

50. Teatro Colón
51. Obelisco/9 de Julho
52. Galerias Pacifico
53. Calle Florida
54. Centro Cultural Nestor Kirchner
55. Plaza San Martín
56. Aliança Francesa, da Av. Córdoba: não é exatamente um ponto turístico, mas eu pus porque eu fui fazer uma visita e me surpreendi. Estudei anos na Aliança, aqui em Campo Grande, e, por dica do pessoal da AFCG, fui fazer uma visita nessa da Av. Córdoba. Muito bonita, com uma biblioteca espetacular! <3
57. Mirador Guemes: vale a pena! uma visão muito bonita de BsA, vista de cima. Fica na Calle Florida.


#### REGIÃO F ####

BELGRANO

58. Bairro Chino: não chega a ser como a Liberdade, em São Paulo, mas no Chino você encontra de tudo! Inclusive, nos mercados dali, os preços são ótimo rs. Achei curioso haver guarda-volume para deixar as coisas antes de entrar no mercado. Sei lá, dá impressão de que as pessoas vão roubar se entrarem com sacolas. kkk Mas a região é bem gostosa para conhecer.

COLEGIALES

59. Mercado de las Pulgas da Av. Dorrego


#### REGIÃO G ####

MATADEROS

60. Feira de Mataderos: deixei esta região por último, porque esse foi um dos lugares de que mais gostei em Buenos Aires (talvez o de que mais gostei!). É a uma feirinha que acontece aos domingos, assim como a de San Telmo. Começa cedo, e perdura por todo o dia, com músicas e danças folclóricas, comidas típicas. Certamente é um lugar onde quero voltar.

Gravei este vídeo na feira!


OUTROS LUGARES

61. Freddo

Esta sorveteria é espetacular. Acho que foi um dos melhores sorvetes que já tomei na vida. Até hoje tento encontrar algo parecido e não encontro! Já citei ali em cima na região de Palermo. Adicione-a no seu roteiro. Vale a pena!

62. Nicolo Helados

Outra sorveteria maravilhosa. E com preço muito em conta. Eu achei a qualidade bem similar à da Freddo. Deve haver diversas pela cidade, mas tinha uma a 20 metros de onde eu estava hospedado, em Montserrat, e descobri “por acaso”. Se vir uma dessas pela rua, experimente!


O QUE NÃO PODE ESQUECER DE PROVAR/TRAZER

EMPANADAS, MEDIALUNAS, DOCES DE LEITE, VINHOS, ALFAJORES E MIRINDA

É um pecado ir a Buenos Aires e não experimentar as empanadas e as medialunas. Em qualquer lugar você encontra ambas. Comi de vários lugares (desde nas cafeterias das estações de metrô às do Café Tortoni) e achei todas deliciosas.

Com os doces de leite é a mesma coisa. Por incrível que pareça, qualquer doce de leite barato que você comprar, no supermercado, por exemplo, é delicioso.

Os alfajores também se encontram aos montes, de diversas marcas. A primeira vez em que estive na cidade, acabei indo pelo senso comum e trouxe só Havana, que também é excelente. Mas há outros bem mais baratos e tão bons, ou ainda melhores, quanto!

Acabei trazendo também a Fernet Branca, bebida de origem italiana, que foi levada para a Argentina, e muito consumida pelos hermanos. Comprei e trouxe para Campo Grande. Não me agradou muito. Parece um Biotônico alcoólico. Até hoje tá aqui guardada. Intragável. É amarga e feita com raízes e ervas medicinais. Fica a dica se quiser arriscar com sabores exóticos. Tô de boa.

Vinhos são baratos, em geral. Em supermercados você encontra de diversas regiões e preços. Comprei alguns para experimentar e gostei de todos. Alguns mais fracos, outros mais fortes. Mas todos relativamente gostosos.

Mirinda é um refrigerante de laranja bem gostoso. Uma mistura de Fanta com Sukita, mas um pouco mais cítrico kk. Experimente! Outro refrigerante imperdível, que desconheço aqui no Brasil, é a Fanta sabor Pomelo (toranja). Não sei se há por aqui, nos grandes centros. Mas por lá, não deixe de provar.


INFORMAÇÕES BÁSICAS

1) Aconselho a comprar um chip de celular, mesmo que fique por pouco tempo. Obviamente, isso se você quiser se manter conectado o tempo todo e usar suas redes sociais. Enfim. Vale a pena. Usei a Claro por vários dias, e foi bastante barato. Acredito que gastei 250 pesos para todo o período em que fiquei por lá (cerca de 50 reais), porque a Claro desconta 10 pesos por dia e você ganha megabytes de internet todos os dias. Você pode comprar em qualquer kiosko.

2) Kiosko: são tabacarias. Estão espalhadas por todos os lugares. Você compra chip de celular, faz recarga, compra água, refrigerante e várias coisas.

3) Use o transporte público: é muito barato. Nos valores atuais (abril/2018) o ticket do metrô está custando AR$ 7,5, ou cerca de 1 real e 30 centavos, e o do ônibus está quase o mesmo preço. Dá acesso a qualquer lugar da cidade, por meio de trem, ônibus e o próprio metrô (que lá chamam de subte). Para utilizar ônibus você informa ao motorista até onde você quer e ele vai descontar um valor X do seu cartão. O cartão SUBE você pode comprar também nos kioskos ou nas estações. Eu paguei 40 pesos comprando num kiosko, mas depois descobri que custava bem mais barato numa estação.

O UBER também funciona muito bem. Precisei usar uma vez, quando voltei do Uruguai (o barco atrasou e cheguei bem tarde). Estações todas fechadas. Cheguei após as 22h e estava fechado. De segunda a sábado funciona das 5h às 23h. Domingos e feriados até 22h.

4) Onde fazer câmbio: olha, de diversas formas você faz câmbio. Antes de mais nada, aconselho levar R$ REAL em espécie, que é aceito em qualquer casa de câmbio (além de um cartão de crédito para imprevistos. Mas use de último caso, para evitar aquele IOF chato). Em junho-julho do ano passado eu peguei uma cotação de 4,5 pesos para cada real. Sim, estava bem baixo. Hoje já é possível encontrar 7 pesos e até um pouco acima disso, trocando na rua. Na região da Calle Florida é o melhor lugar para fazer câmbio. Mas tome cuidado com pessoas que te abordam pelas ruas. É mais confiável ir a uma casa de câmbio. Se for se arriscar pela rua, tente saber se aquela pessoa trabalha em alguma agência por ali, ou algo do tipo. Confesso que já troquei de todas as formas possíveis, desde bancos a pessoas pelas ruas. Mas fica o alerta para não receber notas falsas. Seria muito azar, porque eu mesmo não sei nem reconhecer Real, quem dirá Peso Argentino. Por sorte, não tive problemas. Só manter o desconfiômetro e tentar ser racional. Ou, se preferir, para não haver dor de cabeça, troque no banco, mas o valor será muito mais baixo. Tive algumas instruções no curso de espanhol sobre segurança e câmbio, e nos recomendaram alguns lugares para fazer a troca. Mas, infelizmente, não me lembro o nome da casa. Foi bem em conta.

5) Como ir do aeroporto ao centro/hotel/hostel: existem diversas formas. As mais baratas, as mais rápidas, as mais caras etc. Você pode pegar um táxi, ônibus de viagens que vão até o centro (Tienda León, por exemplo), usando o transporte público ou um REMIS. Quando cheguei, não quis ter problemas e contratei um REMIS (que são carros parecidos com táxis, mas com tarifas diferenciadas. Você contrata direto com a pessoa e combina um local). Eu achei no Facebook, procurando bastante. O serviço foi bacana. Fiz o desembarque no Aeroparque e logo que cheguei usei o wi-fi do aeroporto para avisar por Whats App. Não tive problemas.

A volta, para Ezeiza, também usei o REMIS. A moça que encontrei, também no Facebook, Suzana, foi super atenciosa, prestativa e pontual, sem falar que tive de sair de madrugada. Ela enviou o sobrinho para me buscar, que trabalha com ela também (acho que ela trabalha durante o dia e ele, por segurança, fica à noite). O serviço é tabelado e custou 100 pesos. Achei bem em conta, já que o preço do UBER, naquele horário, seria surreal, e táxi nem se fala. Saindo/chegando do Aeroparque o preço é 60 pesos, para qualquer lugar da cidade. Deixo o contato deles abaixo. São super elogiados num grupo de brasileiros em Buenos Aires. Eu também recomendo. Só chamar no What’s App.

7) Supermercados: encontra-se de tudo para todos os bolsos. Como falei mais acima, comprar vinhos em mercados de bairros e grandes redes, é uma ótima alternativa. Os mercados populares de Buenos Aires são o Coto e o Dia. Possuem preços bons e mais baratos que um Carrefour, por exemplo.


SHOWS DE TANGO

Não vou me aprofundar nesse tema, até mesmo porque já possui farto conteúdo pela internet. Há shows de tango para todos os bolsos, dos mais caros aos mais em conta. A única coisa que eu posso dizer, ou aconselhar, é que, dependendo do lugar, faça a compra sem o jantar, apenas com o espetáculo. Por quê? Já li vários relatos dizendo que o buffet não é tão bem servido. Então é preferível jantar num restaurante antes ou depois. Fica a seu critério e varia de lugar para lugar. Só dar uma pesquisada sobre isso e ler os comentários, para ver se vale a pena. Fica a seu critério.

ONDE COMER E BEBER

Isso é bem relativo e varia também do quanto você está disposto a gastar. Da mesma forma que você encontra lanches a partir de 10, 15, 20 pesos (como empanadas, medialunas, sanduíches de miga), pode também variar até 100, 120, 150 pesos num Mc Donalds ou Burger King da vida. Refeições completas é a mesma coisa: você pode gastar pouco, assim como não ter limites para o seu bolso. É possível comer em lugares mais caros como em Puerto Madero, a lugares mais baratos como pequenos restaurantes de bairros. Não vou entrar nesse assunto também, até mesmo porque quis focar a postagem em paseios, onde praticamente 90% são gratuitos. Você encontra muitos restaurantes e dicas de onde comer por aí na web.


OUTRAS IMAGENS

Por fim, essa foi minha experiência. Deixo aqui alguns lugares para te ajudar a escolher e acrescentar na sua viagem. Há muitas coisas turísticas e outras tantas fora do comum, mas que valem a pena também. Outros passeios que não citei, talvez você encontre pela internet e se aprofunde mais sobre ele (como o caso dos tangos e restaurantes). Quis deixar minha contribuição com coisas mais alternativas e um pouco além do comum.

Se tiver alguma sugestão para mim, ou para as pessoas que poderão ler, deixe seu comentário! Se tiver alguma dúvida também, poste aí!

Valeu!

Voltar ao topo